TECNOLOGIA, OVELHAS E MULHERES – PHILIP K. DICK

Sempre que pensamos em ficção científica vem à cabeça Arthur C. Clark, Azimov, entre outros, mas Philip K. Dick é um autor que você precisa conhecer, arrisco dizer que é um dos autores de ficção científica com as melhores obras adaptadas para o cinema, como: Blade Runner, Minnority Report, O Vingador do Futuro e outros. 

Philip K. Dick (1928 – 1982) nasceu em Chicago, EUA, era uma criança tímida e introvertida que gostava de ler, a típica criança que tem tudo para virar um escritor, como foi com Neil Gaiman, aos 23 anos escrevia o primeiro livro Vozes da Rua e escreveu cerca de 44 romances e 121 contos. O autor tratava de futuros distantes, ou nem tão distantes assim, como no caso do livro abordado aqui, Andróides Sonham Com Ovelhas Elétricas?, que se passa em 1992, vale lembrar que ele publicou o livro em 1968 e na época o ano de 92 estava em um futuro um tanto quanto distante. Então vamos ver tecnologias passadas pensadas em um futuro distante, mas que para nós já é passado. Confuso? Sim, um pouco, mas isso não atrapalha em nada o entendimento da história, pelo contrário.

O livro é tão profundo que antes de falar qualquer coisa vale a premissa que a editora Aleph trouxe para o livro:

"Rick Deckard é um caçador de recompensas. Ao contrário da maioria da população que sobreviveu à guerra atômica, não emigrou para as colônias interplanetárias após a devastação da Terra, permanecendo numa San Francisco decadente, coberta pela poeira radioativa que dizimou inúmeras espécies de animais e plantas.

Na tentativa de trazer algum alento e sentido à sua existência, Deckard busca melhorar seu padrão de vida até que finalmente consiga substituir sua ovelha de estimação elétrica por um animal verdadeiro; um sonho de consumo que vai além de sua condição financeira.
Um novo trabalho parece ser o ponto de virada para Rick: perseguir seis androides fugitivos e aposentá-los. Mas suas convicções podem mudar quando percebe que a linha que separa o real do fabricado não é mais tão nítida como ele acreditava."

É nesse mundo que vamos ser inseridos através dos olhos de Rick Deckard, um caçador de androides, casado e que aspira ter uma posição social elevada comprando um animal de verdade. Rick é um homem atormentado por muitos problemas, como todos os cidadãos dessa sociedade, uma espécie de religião é instaurada e deve ser capaz de ajudar todos os homens e mulheres a aceitarem essa nova realidade e principalmente a terem empatia. A empatia é o elemento que separa seres humanos de androides fabricados fora da Terra, por mais inteligente e avançado que o cérebro de um modelo seja ele não é capaz de ter empatia e é assim que os caçadores vão descobrir quem aposentar, o problema surge quando um novo modelo parece ameaçar essa lógica e aí vamos ter de lidar com o questionamento: O que de fato separaria humanos e androides?

O livro é um daqueles de camadas, pode ser lido como uma história de um policial atrás de androides para ganhar uma recompensa e status social, além de um animal. Pode ser lido como um livro sobre religião e o poder de crença na vida das pessoas e como a experiência humana com o outro é importante. Assim como pode ser lido tal qual os conflitos de um homem que ao alcançar um novo status no trabalho se vê em choque com seus preceitos e sobre o que é realmente humanidade. A verdade é que não há uma verdade, o livro aborda tantos temas e tantas camadas que no mínimo você vai querer reler uma vez

Algo muito recorrente no livro é a forma como as mulheres são colocadas pelo autor sempre como as mais sentimentais, mesmo as androides que deveriam em tese serem desprovidas de empatia, e como os homens fazem "de tudo" por suas mulheres e sofrem, mesmo sendo um androide, o que não anula em nada o quão o livro é bom, mas é uma ressalva que deve ser feita aqui. 

O livro é fantástico e com certeza essencial para qualquer pessoa que se interesse pela ficção científica, inclusive até para quem quer adentrar esse mundo e não sabe por onde começar assista Blade Runner, o filme inspirado nesse livro, e depois venha se encantar com as 272 páginas do livro.

Comentários
Compartilhe e divulgue nosso podcast